Deficiência de cromo

Ausência do mineral pode causar acúmulo de gordura no abdômen. Veja como evitar!
Por Redação

Para receber diariamente um cardápio balanceado e iniciar sua reeducação alimentar, assine o Bem Leve e tenha dicas nutricionais online à sua disposição.

Por Denise Rosso, endocrinologista*
redacao@bemleve.com.br

O cromo é um mineral capaz de ajudar no aproveitamento do carboidrato ingerido pelo corpo como fonte de energia e não no seu armazenamento como gordura, principalmente na região do abdômen. Além disso, o mineral atua na síntese dos ácidos graxos e colesterol, que são vitais para o funcionamento do organismo.

Estudos recentes em países ocidentais, cujos dados foram obtidos de análises no soro e nos cabelos, mostraram que absorvemos, geralmente, uma quantidade inferior à recomendada , sendo o mínimo requerido e aconselhado de 50 microgramas (mcg)/dia de cromo. Atualmente, 90% dos americanos com mais de 50 anos têm deficiência de cromo, com ingestão diária de 50 mcg, segundo os doutores Richard Anderson e Adriane Kozlovsky da academia nacional de ciências dos EUA.

Veja AQUI mais notícias de Saúde

No Brasil, a deficiência é semelhante. O cromo corporal diminui com a idade. Ao se determinar a ingestão média diária de cromo em uma dieta alimentar de 1000 Kcal, obtém-se uma dosagem de 9-15 mcg/dia. Isso determina a necessidade de dietas com 3500 a 5000 Kcal/dia para atingir uma ingestão diária de cromo adequada.

O cromo, em dietas médias, não atinge o patamar mínimo de 50 mcg/dia. Observações em um grupo de homens e mulheres demonstraram uma média de ingestão diária entre 33±3 e 25±1 mcg, respectivamente, abaixo das quantias mínimas para a manutenção de um equilíbrio saudável.

Por que o cromo é tão importante e onde encontrar?

O cromo é fundamental na nossa dieta alimentar diária, sendo considerado um dos principais minerais necessários ao equilíbrio do nosso organismo. Ele está presente no levedo de cerveja, carnes, queijos, cereais integrais, cogumelos e nozes.

A função mais importante do cromo é trabalhar auxiliando a insulina, que é um hormônio produzido pelo pâncreas. A insulina é responsável pela distribuição do açúcar (glicose) que vem dos alimentos para o corpo todo e é secretada sempre que se come. A glicose é a maior fonte de energia do organismo. As células do corpo necessitam deste combustível para exercer suas funções essenciais, tais como o metabolismo e a construção dos músculos.

A deficiência de cromo na dieta poderá levar a uma perda na sensibilidade da ação da insulina. Com isso a pessoa ingere doses adequadas de carboidratos, mas o organismo não entende que há glicose suficiente circulando pelo sangue e faz com que o corpo queira cada vez mais comer doces e pães. Consequentemente este excesso leva ao aumento de peso e acúmulo de gordura no abdômen. Um exame de sangue simples é capaz de detectar os níveis de cromo no sangue.

Mineral pode ser usado como complemento alimentar para perda de peso

O picolato de cromo, que é o cromo ligado a um aminoácido, é melhor absorvido pelo organismo, podendo ser usado como um complemento alimentar para promover a perda de peso e auxiliar no controle do diabetes, sendo um complemento indispensável para o metabolismo saudável, especialmente em idosos. Mas a quantidade ideal de cromo é muito individual. No entanto, como acontece com qualquer suplemento dietético, é importante discutir o uso deste suplemento com o médico antes de usá-lo.

Menos de 1% do cromo ingerido é absorvido. O cromo é eliminado pelo suor, por isso as pessoas que malham e têm sudorese excessiva podem apresentar a sua falta. Existem interações com o zinco e o ferro, pois parece existir um mecanismo comum de transporte. A maior parte das vitaminas e minerais deve ser reposta diariamente na alimentação. No entanto, uma vez que é tão difícil para o organismo absorver de forma eficaz o cromo, a maioria das pessoas precisaria de suplementação diária deste mineral.

*Denise Rosso é mestre em Nutrologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e endocrinologista formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF). É membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), professora do curso de pós-graduação de Endocrinologia pelo IPEMED – BH.

Quer perder peso? Faça um dieta GRÁTIS ideal para você!